O GRANDE VAZIO


VISÃO DIRECTA

Os Iniciados nos Grandes Mistérios são unânimes em afirmar que a Ciência Sagrada não pode ser alcançada pela mente do profano, por mais que ele se esforce em penetrar nos seus Arcanos profundos.
Para qualquer resultado prático no campo do Ocultismo, deve-se começar pelo desenvolvimento da nossa natureza espiritual.

À medida que vamos penetrando na Estreita Vereda, as nossas faculdades vão-se ampliando até poder chegar-se àquilo que os Sábios Iniciados denominam de Visão Directa.
A verdadeira Realidade está muito além dos objectivos procurados pelos filósofos no campo do intelecto, ou pelos religiosos nas suas buscas nos textos dos seus livros sagrados.
Segundo o testemunho dos "Adeptos Perfeitos", o desenvolvimento dos valores espirituais latentes em todos os homens leva o Ser Realizado a possuir o conhecimento abrangente de todos os segredos da Natureza, e a confirmar por experiência própria todos os factos preconizados pelo Ocultismo.
Têm sido disseminados por todo o mundo os elementos da autocultura que podem conduzir o estudante aplicado a uma certa realização interna e ao controle das suas forças mentais. Mas os conhecimentos mais profundos dos Mistérios da Natureza, aqueles que proporcionam poderes transcendentais, são conferidos somente aos discípulos avançados que mereçam a confiança dos Mestres de Sabedoria. Por isso se diz que “muitos são os chamados, porém, pouco os escolhidos”.
Para chegar ao ponto de merecer a confiança dos Mestres, os discípulos têm de percorrer um longo período que pode estender-se por várias encarnações, submetendo-se a provas severas e provando ser devotados ao nobre ideal de servir a Humanidade impessoalmente, banindo de si qualquer sentimento egoísta, por mais subtil que o mesmo se apresente, que vise usar as benesses iniciáticas em proveito próprio. Quem não age com o coração limpo não deve contar com o apoio dos Excelsos Senhores do Governo Oculto do Mundo.
Somente aqueles de coração puro transbordante de amor e vida limpa podem ser admitidos no Santuário Interno, por já sentirem vibrar em suas almas os valores monádicos. Tal facto somente se consegue através da prática constante da Meditação Iniciática, que consiste num esforço consciente e bem direcionado no sentido de se ouvir o chamado da Voz do Silêncio, que se fará cada vez mais audível à medida que se avança no Caminho da Auto-Realização.
À medida que o Adepto amplia a sua Hierarquia, ele se recolhe cada vez mais no mais recôndito do seu mundo interior que passa a ser a sua fortaleza inexpugnável. O mundo exterior não tem sentido para ele que de há muito está acima dos desejos e aspirações puramente humanos, como esse que levam o homem comum a procurar a popularidade, a fama, o poder efémero.
Esses Excelsos Seres, sendo conhecidos como Encapuzados por permanecem incógnitos evitando de todos os modos os olhares da vão curiosidade profana. Pelo contrário, os pseudo-ocultistas chamam a atenção do mundo para as suas insignificantes figuras de falsos profetas e messias falsos inteiramente carentes dos reais valores espirituais. A prudência e o silêncio são os mantos que encobrem o verdadeiro Adepto.
Falando sobre a existência misteriosa dos Adeptos Independentes, assim se expressou um Iniciado:
“Como todo o verdadeiro Adepto do Ocultismo esconde zelosamente da vista vulgar do público o seu Conhecimento e Poder, os homens indagam se há algo de verdadeiro no Ocultismo ou se toda essa conversa de Planos mais subtis e Seres sobre-humanos não é apenas uma fantasia...”

[teosofia]

Sem comentários:

Ocorreu um erro neste dispositivo